Arquivo da tag: Música

Pensando em, escutando, Jeff

Pensando em Jeff

1 comentário

Arquivado em Música, O Balde

Overdose Power (07-05-2009) [Old Stone]

Eu estava deitada, esparramada no sofá, escutando Cat Power, há um tempo eu não escutava “The Greatest”, álbum que no começo do último ano eu escutava incansavelmente porque eu só queria que ele me desse um pouco de paz, que me tirasse do estresse, como sempre fazia.

Tô com dor de cabeça.

E estou escrevendo porque vi Adriano falando para escrever tudo, sendo importante ou não, o que se tem que fazer mesmo é escrever.

Só queria poder desabafar um pouco.

Ganhar um pouco de sentido.

Não fazer ninguém chorar.

Ou se aborrecer.

Queria encontrar uma essência.

Talvez finalmente poder fazer música.

Oh, eu estou buscando o sentido para isso tudo, só não sei porque insisto.

Enquanto isso, vou continuando a nadar com os tubarões, fico aplaudindo aqueles que fazem o que eu não posso, mas que queria mais que tudo fazer, que é o que me dar prazer, força, desejo, satisfação…

“Where is my love?”

Deixe um comentário

Arquivado em O Balde

Árvores de Plástico

Hoje estava escutando Fake Plastic Trees e como é incrível que depois de 14 anos essa música continua me acompanhando, se tem uma música que tem marcado a minha vida eu posso dizer que é essa, ela me acompanha desde pequenina, essa música marcou a minha infância, e eu demorei tanto pra um dia tê-la! Oh, a música vivia na minha cabeça, a melodia, o nome, mas não era tão simples possuí-la como é hoje. ( O meu irmão, na época, tinha um cd com a música mas quando ele foi embora levou com ele.)
A primeira vez que a escutei foi em um comercial que passava na Globo, era um comercial triste, e eu me lembro que sempre chorava quando assistia (como hoje em dia eu choro quando vejo aquele comercial do cachorrinho da doação de órgãos- chotei algumas vezes, nas outras apenas ficava realmente balançada -, mas o comercial com a música do Radiohead ainda continua sendo o mais foda). E é incrível o poder que a música exerce sobre mim, como eu sinto que ela é, na época mesmo eu não sabendo nada que a letra dizia eu sentia o que ela queria dizer, e isso a fez se tornar parte de mim.
O Thom sempre tem uma espécie de agunia quando ele canta,emoção, vida, eu posso sentir o quanto é de verdade os sentimentos quando ele canta.( O Radiohead é uma banda que sempre tem músicas que me cativam, que arrebentam o meu pobre coração e vivem comigo.)
Fake Plastic Trees me faz lembrar de mim sentada no sofá, do meu irmão, me faz lembrar dias de chuva, de mim embaixo de chuva em Belém e indo para a Esamaz, me lembra o mundo artificial em que a gente está, em pessoas feitas de plástico, me lembra o caderno em que eu tenho essa música rabiscada e como isso foi tudo que eu li por um longo tempo, da primeira vez que eu vi o clipe, e eu pensei que o Thom fosse um doente, e como eu senti a solidão por nós dois, e como logo me encantei com o Jonny, me lembra de dias solitários, aqueles dias que todos acham que a sua vida está correndo pro rumo certo mas pra você ela está correndo ao contrário, parece que você está dando a ré, que todos parecem bem e feliz, inclusive você, mas não é assim que você está por dentro, você se sente desgastado, você se sente só, e você não pode “evitar o sentimento” e você sente que “poderia explodir pelo teto se” você “simplesmente” se “virar e correr” e que o que você precisa urgentemente é acabar com isso.
Essa é uma imagem fixa na minha cabeça, eu me virando e correndo, e eu acho tão lindo, tão libertador…!
Urgh! O poder da música sobre mim como sempre, tão mágico, tão intenso! O melhor salva-vidas que há.
(E essa sempre foi sua função, hã?, salvar vidas.)

Pra quem quiser baixar a música o link aí:

http://www.4shared.com/file/94558458/93c65fca/04_-_Fake_Plastic_Trees.html

Deixe um comentário

Arquivado em Música, O Balde